Podcasts da História

O sistema de justiça criminal

O sistema de justiça criminal

O Sistema de Justiça Criminal abrange a Inglaterra e o País de Gales e é um dos principais serviços públicos deste país. Em todo o Sistema de Justiça Criminal, agências como a polícia, o Serviço de Promotoria da Coroa, os tribunais, prisões e proibições trabalham juntas para oferecer justiça criminal.

As principais agências do CJS são: a polícia, o Serviço de Promotoria da Coroa, os tribunais, o Serviço Nacional de Gerenciamento de Ofensores (que abrange prisões e liberdade condicional) e o Conselho de Justiça da Juventude (que supervisiona as equipes de infratores juvenis). Alguns serviços e iniciativas dentro do CJS são administrados por vários grupos voluntários, como o Apoio às Vítimas e a Associação Nacional para o Atendimento e Reassentamento de Ofensores (Nacro).

Localmente, 42 Conselhos Locais de Justiça Criminal (LCJBs) coordenam a atividade e compartilham a responsabilidade de oferecer justiça criminal em sua área. Esses conselhos reúnem os diretores das agências do CJS para coordenar as atividades e compartilhar a responsabilidade pela prestação de justiça criminal em nível local.

Três departamentos são conjuntamente responsáveis ​​pelo Sistema de Justiça Criminal (CJS) e suas agências: o Ministério da Justiça, que supervisiona os tribunais dos magistrados, o Tribunal da Coroa, os Tribunais de Apelação, a Comissão de Serviços Jurídicos e o Serviço Nacional de Gerenciamento de Ofensores (incluindo prisões e liberdade condicional); o Ministério do Interior, que supervisiona a polícia, e o Ministério Público, que supervisiona o Ministério Público da Coroa, o Gabinete de Fraude Grave e o Ministério Público da Receita e Alfândega.

O Ministério da Justiça gerencia o processo judicial de ponta a ponta - a partir do momento em que um suspeito é acusado, através dos tribunais, de prisão e liberdade condicional, se necessário. O ministério é responsável pelo direito penal e pela política de sentenças, pela assistência jurídica, pela redução de reincidência e pelas prisões e liberdade condicional.

O Ministério do Interior protege o público do terror, crime e comportamento anti-social. Ajuda a construir a segurança, a justiça e o respeito que permitem que as pessoas prosperem em uma sociedade livre e tolerante. O departamento é responsável pela criminalidade e redução da criminalidade, policiamento, segurança e combate ao terrorismo.

O Procurador Geral, assistido pelo Solicitor Geral, é o principal consultor jurídico do Governo. Eles são responsáveis ​​por garantir que o estado de direito seja respeitado.

O Procurador-Geral também tem certas funções de interesse público, por exemplo, ao tomar medidas para apelar sentenças indevidamente indulgentes e ao instaurar um processo sob a Lei de Desprezo do Tribunal.

O objetivo do Sistema de Justiça Criminal (CJS) é fazer justiça para todos, condenando e punindo os culpados e ajudando-os a parar de ofender, enquanto protege os inocentes. É responsável por detectar o crime e trazê-lo à justiça; e executar as ordens do tribunal, como cobrança de multas e supervisão das punições comunitárias e de custódia.

Os principais objetivos do Sistema de Justiça Criminal são:

• Melhorar a eficácia e eficiência do CJS em levar ofensas à justiça.

• Aumentar a confiança do público na justiça e eficácia do CJS.

• Aumentar a satisfação da vítima com a polícia e a satisfação da vítima e testemunha com o CJS.

• Para coletar, analisar e usar consistentemente dados de etnia de boa qualidade para identificar e abordar a desproporcionalidade racial no CJS.

• Aumentar a recuperação de ativos criminais para garantir que o crime não compense.

O Plano Estratégico de Justiça Criminal de 2008-2011 define como as agências do Sistema de Justiça Criminal na Inglaterra e no País de Gales trabalharão juntas para fornecer um sistema de justiça que:

• É eficaz em levar ofensas à justiça, especialmente ofensas graves.

• Envolve o público e inspira confiança.

• Coloca as necessidades das vítimas em seu coração.

• Possui processos simples e eficientes.

O desempenho é medido em relação a cinco indicadores. Além disso, os Conselhos Locais de Justiça Criminal (LCJBs) têm um indicador que mede a atividade de execução.

• Indicador 1: Levando ofensas à justiça

• Indicador 2: Aumentando a confiança do público

• Indicador 3: Satisfação das vítimas e das testemunhas

• Indicador 4: Abordando a desproporcionalidade racial

• Indicador 5: recuperação de ativos

• Indicador adicional: Programa de Execução do CJS

Cortesia de Lee Bryant, Diretor da Sexta Forma, Escola Anglo-Europeia, Ingatestone, Essex